Bispo do Porto reconhece a baixa taxa de desemprego na região

Os representantes máximos da Diocese do Porto estiveram em Azeméis, poucos dias após a posse do novo Bispo, D. Manuel Linda (2.º a contar da esq.ª)

A temática da responsabilidade social esteve em evidência no encontro de empresários com a Diocese do Porto, promovido pela Vigararia de Oliveira de Azeméis e S. João da Madeira. Presidido por D. Manuel Linda, este foi um dos primeiros atos públicos enquanto Bispo do Porto, fazendo-se acompanhar de todos os seus auxiliares. Na ocasião, o patriarca agradeceu o facto de quase não haver desemprego entre nós. 

Para o recém-empossado Bispo do Porto, há quatro parâmetros essenciais que o tecido empresarial deve ter em conta de forma a contribuir para uma sociedade mais equitativa e justa: “A empresa deve ser uma comunidade familiar” e os seus responsáveis devem pugnar por torná-la “um lugar de paz social”. Para além disso, as unidades empresariais necessitam de ir muito para lá da “realidade momentânea”, isto é, os proprietários e administradores devem ter consciência da necessidade de “capitalizar a empresa” e “investir na sua modernização e na formação dos trabalhadores”. Deste modo, tornar-se-á uma estrutura “sólida” e, consequentemente, mais estável socialmente. Se estes fatores são, desde logo, imagens de marca de uma responsabilidade social acrescida, não menos imperiosa, para D. Manuel Linda, é a efetiva e “inerente função social” da empresa, que deve contribuir para uma maior justiça social, nomeadamente através de apoios e donativos a instituições de caráter social e solidário. Por último, o responsável máximo diocesano considerou imprescindível que o empresariado assuma “responsabilidades perante o meio ambiente”, até porque não devemos ‘hipotecar’ a vida de gerações vindouras.

No cômputo geral, “peço-vos sempre que não se esqueçam e trabalhem esta dimensão humana”, apelou o patriarca, que esteve acompanhado pelos Bispos Auxiliares, D. António Taipa, D. Pio Alves e D. António Augusto Azevedo, e ainda o líder vicarial, Pd. Artur Bastos, entre outros responsáveis clericais. D. Manuel Linda acabou agradecendo aos empresários o (quase) nulo índice de desemprego que a nossa região regista.

Apoio às IPSS

A dinâmica deste encontro contou ainda com o contributo do Professor Américo Mendes, docente na Universidade Católica do Porto, que se debruçou sobre algumas temáticas correlacionadas, como ser empresário em Portugal, a dignidade do trabalho humano, os problemas do individualismo, da competição e da fragilidade da Democracia, bem como a inclusão/exclusão e a economia social. Neste âmbito, as Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) centraram as atenções, com apelos para que o tecido empresarial apoie a sua sustentabilidade. Uma situação que podia ser mais estimulada com incentivos fiscais e com uma maior abertura destas instituições à sociedade, como reconheceram alguns dos empresários presentes.

Este encontro, organizado pela Vigararia de Oliveira de Azeméis e S. João da Madeira, cujo responsável é o Pd. Artur Bastos (na foto no uso da palavra), teve lugar no Centro de Negócios da Área de Acolhimento Empresarial (AAE) de Ul-Loureiro, Oliveira de Azeméis, na noite de 02 de maio, e contou com a presença de umas dezenas de empresários, entre os quais o presidente da AECOA – Associação Empresarial do Concelho de Oliveira de Azeméis, Com. António Silva Rodrigues (Grupo Simoldes), e de outros membros dos órgãos sociais desta Associação, nomeadamente Isabel Henriques (Lidarco) e José Seabra (Soinca), respetivamente vogal da Direção e secretário da Assembleia Geral, bem como o diretor executivo, António Pinto Moreira.

 

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *