Projeto conjunto “muito bem formatado” apresentado em Águeda

Responsável do COMPETE considerou copromoção “um casamento feliz”

Entidades que presidiram ao seminário de apresentação do projeto.

 

O ‘Qualifica & Compete’ para a fileira ‘Home & Office’ foi apresentado na Associação Empresarial de Águeda, entidade líder do projeto, lançado em copromoção com AECOA. Diagnosticar os fatores críticos e as necessidades do tecido empresarial de ambas as regiões, e ajudar a ultrapassá-los, numa perspetiva a cinco anos, são objetivos.

Este projeto nasce para “apoiar as empresas na área da exportação” e “reduzir a imprevisibilidade dos mercados”. Esta foi a ideia-chave deixada pelo presidente da Associação Empresarial de Águeda (AEA), no seminário de apresentação do programa ‘Qualifica & Compete – Qualificação para a Competitividade da Indústria Home & Office’. Ricardo Abrantes foi mais longe ao salientar que este projeto pretende “reforçar as competências centrais” e a “qualificação das empresas desta fileira”.

O ‘Qualifica & Compete’ (Q&C) centra a sua ação de qualificação para a competitividade na fileira ‘Home & Office’ (‘Casa & Escritório’) e é promovido pela AEA em parceria com a Associação Empresarial do Concelho de Oliveira de Azeméis (AECOA), que esteve representada pela secretária da direção, Sofia Lima. Tendo os fundo comunitários em perspetiva e, em particular, os programas do ‘Portugal 2020’, esta frisou que “a recuperação de uma trajetória de crescimento e de emprego é uma forte expetativa de todos os empresários de que os fundos utilizados para a Inovação promovam o crescimento da competitividade das nossas empresas e entidades” e isto “através do reforço da investigação e do desenvolvimento tecnológico e da transferência de resultados do sistema científico para o tecido produtivo”.

Para Sofia Lima, entre vários outros aspetos essenciais para o crescimento da economia portuguesa, “fomentar o empreendedorismo jovem é essencial para que surjam muitos mais casos de sucesso. Temos jovens talentosos que competem com os melhores do mundo, em inovação empresarial, em qualidade académica e científica, em criatividade artística e cultural. Há uma nova geração – prosseguiu – que ganha sucessivos prémios nas mais diversas áreas da investigação e que assume papéis de liderança nos mais variados projetos”. E nada melhor do que um exemplo: “Trouxemos hoje connosco um ótimo exemplo desses mesmos jovens, que souberam pegar numa atividade tradicional e inovar de uma forma, ainda por cima, bastante saborosa e fresca, como terão a oportunidade de provar e comprovar: a Cerveja Vadia”.

Diagnosticar fatores críticos para os combater

Presente na sessão, em representação da Câmara Municipal de Águeda, Pedro Alves regozijou-se com esta ‘rede’ de cooperação entre duas associações, o que não deixa de estar “alinhado” com a estratégia do município, em termos empresariais, para os próximos anos. Neste sentido foram também as primeiras palavras da responsável pela Unidade de Cooperação Empresarial do COMPETE 2020, Maria José Caçador, que considerou esta copromoção “um casamento feliz entre duas associações [AEA e AECOA], que se juntaram num projeto muito bem formatado”. Afinal, completou, “estas parcerias acabam por ser uma génese destes projetos de ação coletiva”.

Porém antes do “casamento” vem sempre o “namoro”. E este foi referido pelo secretário-geral da entidade promotora de Águeda, Miguel Coelho: “O nosso namoro [com a AECOA] já tem uns anos. Mantemos boas relações até porque temos um alinhamento estratégico comum para o futuro, uma proximidade a vários níveis”, nomeadamente “na estrutura da economia das duas regiões”.

A este responsável coube a apresentação do ‘Qualifica & Compete – Qualificação para a Competitividade da Indústria Home & Office’ propriamente dita. Trata-se de um projeto que tem como objetivo estratégico garantir uma especialização inteligente dos sistemas tecnológico-produtivos e das economias regionais na fileira ‘Home & Office’ (‘Casa & Escritório’).

O seu foco de abordagem está na identificação prospetiva das necessidades de capitação e qualificação da indústria, tendo por base a comparação entre os fatores críticos de sucesso em termos de tecnologias, materiais, produtos, processos de qualidade e inovação atuais da indústria nacional deste cluster e as prioridades definidas pela procura externa a cinco anos, a esse nível. Deste modo, as empresas das duas regiões abrangidas – NUT’s do Entre o Douro e Vouga e do Baixo Vouga – podem diminuir o hiato entre as competências atuais e os fatores críticos de sucesso e especialização do futuro, saltando etapas e alcançando mais cedo esse porvir, através da integração das matérias mais problemáticas nas suas prioridades de qualificação.

O ‘Q&C’ insere-se no Sistema de Apoio a Ações Coletivas (SIAC) – Qualificação, no programa operacional Competitividade e Internacionalização para as PME.

Antes dos momentos de convívio, proporcionados pela cerveja artesanal Vadia, ida de Oliveira de Azeméis até Águeda, usaram da palavra ainda Luís Carmo Reis, do AICEP, o consultor de empresas Luís Fonseca e Maria Miguel Macedo, representante da Tenderness Capacity enquanto caso de sucesso.

A oportunidade para os participantes saborearem a Cerveja Vadia, diretamente de Oliveira de Azeméis para Águeda.

 

 

 

 

 

 

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *