Dezenas de alunos apresentam trabalhos e completam o 12.º ano

A representante da AECOA, Sofia Lima, teve a oportunidade de experimentar uma mão robótica, criada por dois alunos da Escola Secundária Soares Basto do Curso de Eletrónica, Automação e Comando (2016-2019).

Desde o passado mês de maio que a AECOA tem feito parte dos júris de uma série de Provas de Aptidão Profissional de alunos do 12.º ano, a convite dos respetivos estabelecimentos de ensino e formação.

Após frequência de três anos letivos (2016-2019), várias dezenas de alunos apresentaram as suas Provas de Aptidão Profissional (PAP’s) e completaram o seu percurso formativo, concluindo assim o 12.º ano no ensino profissional. A maior parte destes jovens pretende, agora, entrar no mercado de trabalho, sendo residual o número dos que querem enveredar pelo ensino superior.

À semelhança dos anos anteriores, a Associação Empresarial do Concelho de Oliveira de Azeméis (AECOA) tem participado nos júris destas provas, em representação das empresas, a convite das entidades educadoras e formativas. Foram já avaliados numerosos trabalhos de muitas áreas, nomeadamente dos cursos de Eletrónica, Automação e Comando, Técnico de Turismo, Técnico de Análise Laboratorial, Técnico de Programação e Técnico de Multimédia, entre outros.

O que é uma PAP*?

A Prova de Aptidão Profissional (PAP) faz parte integrante da avaliação dos alunos formandos do ensino profissional e reveste a natureza de um projeto transdisciplinar integrador de todos os conhecimentos e capacidades profissionais e adquiridas ao longo da formação, de acordo com o Regulamento Interno da PAP do Agrupamento de Escolas Soares Basto. A Prova consiste na apresentação e defesa, perante um júri, de um projeto pessoal, material ou imaterial, que deve ser estruturante do futuro profissional do aluno, adequado à natureza e especificidade de cada um dos cursos profissionais do qual faz parte integrante um relatório final de realização e apreciação crítica do produto e do trabalho desenvolvido.

Segundo o mesmo documento, o projeto pode ser desenvolvido em equipa, desde que, em todas as suas fases e momentos de concretização, seja visível e avaliável a contribuição individual específica de cada um dos membros. Saliente-se que o projeto deve concretizar-se num produto tecnicamente relevante e demonstrar a vocação e a preparação do aluno para o setor de atividade em que iniciará a sua profissão. Deve ainda ser uma oportunidade para demonstrar as capacidades do aluno aos potenciais empregadores, ainda tendo em conta o Regulamento da PAP.

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *